segunda-feira, 14 de abril de 2014

Gente Grande - Crepúsculo de Outono





Sinopse: A noite de tempestade esconde um vulto que invade a chácara do doutor Augusto. Em pânico – com a intenção de defender a família –, o médico atira na direção do perigo. Um trovão abafa o disparo que atinge o alvo e arranca uma vida. Angustiado, Augusto esconde o cadáver, mas ainda lhe resta atender o último pedido do desencarnado. E agora? Como conviver com a consciência atormentada por um crime? O médico não se recorda, mas – entre o Céu e a Terra –, é um prisioneiro dos erros do passado. Depois de um crepúsculo de outono, Augusto entenderá, finalmente, que o mal foi semeado na época da Revolução Francesa e, no invisível, o sangue derramado ainda clama por vingança...


Crepúsculo de Outono é um livro psicografado pelo médium Antônio Demarchi, sendo um romance do espírito Irmão Virgílio.

O livro é dividido em 20 capítulos, mas não tem uma sequência lógica. Calma, vou explicar...

Primeiro nos é apresentado Dr. Augusto, um médico bem-sucedido de classe média, casado e com uma filha pequena que troca a cidade grande por um sitio em uma cidade do interior.

Em uma noite de chuva o médico envolto em medo dispara ao esmo, após ouvir barulhos em frente a casa e atinge seu vizinho, Aspígio, que havia o procurado para curar seu filho que estava muito doente.

Vendo que o vizinho não sobreviveu, o médico desovou o corpo em certa distância do local que o matou.

Antes de abandonar o cadáver o Dr. Augusto lembrou que prometeu ao vizinho que cuidaria do seu filho e resolver cumprir com sua palavra, contratou a esposa do falecido como ajudante em casa e cuidou do menino como se fosse seu.

Em meio a uma história que podemos classificar de suspense policial o capítulo nos deixa com vontade de quero mais.

Essa ânsia de saber o que aconteceu com a vida conturbada do médico, fica na vontade quando no capítulo seguinte nos deparamos com a descrição emocionante dos momentos de Irmão Virgílio frente aos estudos na Colônia, local onde os espíritos moram quando desencarnados.

É-nos apresentado o Hospital da Colônia, onde há uma Ala do Reajuste Maternal, onde todos os pacientes eram mulheres, em sua maioria, jovens. Este local como é ricamente exposto, é o local onde essas mulheres são cuidadas após desencarnarem em função de um aborto.

Os relatos sobre o aborto neste livro são muito fortes, como podemos mostrar no trecho onde Irmão Virgilio narra momento que este ato é cometido em uma clínica:

“...O feto parecia perceber o risco que corria, pois mostrava-se agitado aos nossos olhos...O médico ligou o aparelho de sucção e o que se seguiu, jamais poderei apagar de minha memória: enquanto o feto era arrancado aos pedaços, a criança abriu a boca num grito silencioso de dor e angustia” (páginas 133 e 134)

A mesma angustia narrada por ele foi sentida ao ler o livro, chegando a permear minha noite de sono.

Nas páginas que se fala sobre a Mansão do Reajuste Materno, Irmão Virgílio conta história de outras mulheres que chegaram lá por conta desta descabida prática.

Irmão Virgílio também faz menção ao Carnaval e as vibrações negativas que este período do ano possui.

De volta a história do Dr. Augusto, terceiro capítulo conta a saga do médico em começar a refazer a vida após a tragédia. Essa história é desenrolada em mais alguns capítulos do livro, mostrando toda mudança de atitude do médico em relação sua vida pessoal e espiritual.

No decorrer do livro conhecemos também Antonina, menina frágil que depois de ser estuprada, engravida e se vê desesperada entre pensamentos de suicídio. Sua vida é contada em alguns capítulos. Particularmente foi a história que mais gostei, me emocionei com a vida e a força da menina que resolveu enfrentar o mundo para ter seu filho.

A história desta menina ainda continua no livro Mansão dos Jovens, que com certeza, depois de ficar sabendo deste fato, será o próximo livro a ser lido por mim.

O livro tem um final surpreendente e emocionante, o desencarne do Dr. Augusto e o reencarne de Demétrius, pessoa que assessorou Irmão Virgílio em todos os momentos mostrados no livro.

Ao ler esse romance, você deverá ter o coração aberto a novas descobertas e novos ensinamentos, sem pré-conceitos. 

Boa leitura!

7 comentários:

  1. Olá!

    Não conhecia o livro, mas não faz meu estilo de leitura. A história parece interessante e com certeza, para quem curte o tema deve ser um prato cheio. Que bom que apreciou a leitura.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu li mto livro nesse estilo ja, e apesar de gostar muito de como eles retratam alguns pontos polêmicos, sempr tenho a sensação de que algumas coisas sao carregadas de alguns preconceitos... A historia parece bem interessante, mas duvido que eu vá ler... Talvez depois de sua resenha de Mansão dos Jovens, eu de uma oportunidade para Antonina, que mais me deixou curiosa! =D

    ResponderExcluir
  3. Oi Dani!!

    Dos livros da Petit que li até hoje, esse foi o que eu mais gostei. Mas, não indico para quem nunca teve contato com a doutrina espírita... acho que tem algumas coisas um pouco difíceis de entender para quem não tem um conhecimento prévio.

    Não sabia que tinha um livro que mostrava a história da Antonina!!! Já anotei e vou pesquisar sobre ele aqui. Essa parte do aborto me tocou muito.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Apesar de ter uma história aparentemente interessante, não sei se leria esse livro. Não faz muito meu estilo de leitura, mas fico feliz que tenha gostado! Quem sabe um dia eu dê uma chance pra ele xD

    Abraços!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Dani,
    tudo bem?
    O livro parece ser muito bom e fala de assuntos muito difíceis e as vezes polêmicos. Só achei essa história um pouco pesada, acho que ficaria muito impressionada se o lesse.
    beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá tudo bem ?
    Olha esse tipo de livro não me interessa nem um pouco e ao meu ver eu acharia meio chato e monótono, mas tenho curiosidade em ler livros psicografados, ainda não tive oportunidade.
    Beijos, Carlos.

    http://blogchuvadeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oie Dani
    Eu gosto de livros espiritas, mas não tive oportunidade de ler esse livro em questão. Gostei da proposta do livro e dos ensinamentos que ele pode passar para o leitor. Sua resenha ficou ótima.

    Beijos,
    Jéssica
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir